Caos

by - sábado, setembro 15, 2012

   A-do-ro ser acordada no esporro já e a pessoa vir jogar responsabilidade de coisas que não me cabem responsabilidade, num monólogo pedante na base do susto e no grito. Depois me dar conta que eu sou apenas um bode expiatório. Minha mãe é mestre nisso.

   Muito fácil cobrar tudo de mim, mas não cobrar nada da minha irmã. Vocês não tem noção do quanto é difícil morar nessa casa. E tudo se agrava mais por: eu ser muito sensível. Sou fresca mesmo, mas tenho todo direito de ser assim por ter aguentado muita treta (alou marginalidade) calada.

   Minha mãe me acusa de erros, tipo como eu acordar no sábado, me arrumar e ir pra faculdade sem fazer alguma coisa referente a arrumação da casa e nega que faz muito pior, não se levanta nem pra dizer:
- Fia, também faço isso durante a semana!

   E faz pior porque só resta a sara pra labutar sozinha nessa casa. Nega que sai cedo e não move uma unha. A sara tem que fazer tudo sozinha e ainda dar conta de tirar aquelas belezas de nota na faculdade.

   Sou sozinha nessa casa mesmo. Um lugar em que ninguém me ouve, prefere me dar esporros invalidamente do que assumir erros. Mais cômico disso tudo é que quando precisam usar as minhas coisas, fingem que nada aconteceu. MEU CU agora que vou ser boazinha. Não pensam em mim em momento algum, por que euzinha irei pensar em gente que me faz de escoamento de lixo psíquico?  Cansei.

   E já fiz pra mim uma promessa, pelo bem da minha sanidade mental, de quando passar em um concurso em que eu ganhe bem, sair dessa casa de uma vez por todas. Talvez assim minha mãe reflita sobre essas explosões que tem comigo. Talvez ao se dar conta que a filha favorita dela dá pra meia cidade e fuma. Maybe…

You May Also Like

0 soltando o verbo

Soltem o verbo...