A curiosidade ainda vai matar os pobres

by - sábado, dezembro 12, 2009



Hoje às 7:52 da madrugada, minha querida genitora me ligou. Perguntou se eu já estava com meus documentos em mãos para fazer minha matrícula na faculdade assim que ela chegasse. E eu, com essa coragem de viver NOT que Ganesha me deu, falei que não. Nem preciso falar que levei esporros via celular umas broncas de leve, né? Com muito esforço e paciência que minha irmã teve em ficar me levantando a cada cinco minutos, me levantei. Para minha surpresa, meu lençol estava manchado. ALERTA VERMELHO: A SARA ESTÁ DE BODE!- Gritou o meu Tico para o Teco. Vamo que vamo. Afinal, eu teria que passar no meu ex colégio e pegar meu diploma e histórico escolar para tirar duas cópias, pegar a segunda via da minha carteira de identidade e arrastar minha irmã para comprar algumas coisas para eu arrumá-la no dia da formatura dela para ficar com feições de um ser humano. O dia seria longo.

Corri para o banheiro, joguei o lençol em um balde com água, sabão e vanish e fui tomar meu banho. Abro o armário do banheiro e noto que só tinham 3 absorventes. Como uma pessoa muito burra phyna e inteligente que sou, em vez de ir de rasteira, sapatilha ou tênis, optei pelo meu scarpin. Fiquei com pena dele por ter ficado tanto tempo sem ver a luz do dia na minha sapateira. Só QUE tinha esquecido que minhas regras estavam de visita em meu lindo, bem desenhado e moreno corpo. E O QUE É QUE TEM?- Você homem(???) deve estar perguntado. Bom, quando me encontro nesse período, além de ficar inchada, larga, inflável, inflamável, sofrer com dores agudas no útero (que insiste em ganhar vida) e também na coluna, sofro com reumatismo dores fortes em minhas pernas ao ponto de não conseguir movê-las às vezes. Quem tem inteligência sabe que não é aconselhável eu andar de salto em dias críticos como esse. Sou uma pessoa um tanto que teimosa, saí de saltão mesmo.

Fui à escola e peguei as coisas que precisava, peguei o ônibus e fui para o centro. A minha sorte foi que Rio Branco amanheceu nublado e com um clima bom para se viver. Primeiro, eu e minha comparsa de crimes fomos pagar as contas. Uma fila quilométrica, de dar nó em lombriga. Coragy e muita luz, fizeram com que nós encarássemos a convensão de pessoas horrorosas alí presentes. Em seguida, fomos pegar minha carteira de identidade. Depois de matar duas pessoas que furaram a fila de espera, recebi a notícia indecente: Não tinha chegado. Só dia 20 de dezembro. OI? Minha inscrição é só até o dia 14, sendo que irei viajar dia 13. Muito louca da vida, desesperada, fui à Marisa. Precisava descontar minha raiva porque né? Pessoa rancorosa não está com nada nessa vida. Notei uma coisa nessa loja. MARISA É PARA GENTE GORDA! Mas, né? Não vou espalhar isso. Eu sei que você, gordinha, deve está se matando agora com o que eu falei. Juro que não foi por maldade. Então, não se sinta mal por colocar manteiga na borda da calça para ver se cabe dentro dela. Eu entendo.

Minha irmã quase deu uma de Amy Winehouse por lá. Quis quebrar tudo porque nada parava no quadril dela. Escorregava. Simples assim. Fomos para a parte de roupas infantis. Nada também. Saímos de lá com um colete. Saímos não, ela me arrancou do lugar que tinha uns óculos maravilhosos e bem gays. Jetchy, vizinha, lembrei de ti essa hora. Passamos na farmácia. Comprei o básico para dar uma photoshopada básyca na cara da minha personal Isaura para a formatura que ela irá fazer depois de anos de luta e esforço no Projeto Poronga. Lembrei que estava faltando os absorventes. E eu sinceramente, fico perdida na área desses colchões vaginais. Uma barata tonta praticamente. Mesmo minha perna e pés dando choques involuntários, me arrastei e verifiquei cada marca e especialidade. Então eu vi! Não sei se foram os choques que estava levando, mas eu tive coragem, peguei e falei: VOU EXPERIMENTAR! VERIFICAREI SE É BOM MESMO! Povo, sinceramente eu não sei explicar o que se passa na minha cabeça em certos momentos. Um lapso de longa duração. PRA QUÊ QUE EU INVENTEI ISSO?! Sério mesmo. Esta minha capacidade ululante do meu cérebro pegar no tranco em momentos indevidos me assusta. Acho que daqui a certo tempo, minha mente vai ser objeto de estudo. Não sou normal. Isso já é um fato.

Lógico que vocês pobres estão se matando de curiosidade para saber o que seria tão grandiosa descoberta. Eu sei. Um O.B.! Como uma má cristão que sou, só vou contar meu tormento no post que vem.



----------------UPDATCHYYY--------------------



A história aconteceu segunda-feira da semana retrasada, mas devido problemas com minha infernet, o caso só pode ser postado hoje.
Bom, um ótimo final de semana e...
MORRAM!

You May Also Like

0 soltando o verbo

Soltem o verbo...