Bullying

by - quinta-feira, outubro 21, 2010

Daí que essa semana tá acontecendo umas coisas que olha… de cair pêlo do cu de qualquer um. Mas gente, pena que são impublicáveis, assim como a maioria das coisas que passo. Aí que eu preciso atualizar isso porque olha, pode não parecer, gosto de todos vocês. Mesmo ninguém daqui me sustentando. Enfim.

Conversando com minha amiga, aquela coisa mar linda, tocamos no assunto: bullying e né… nem vou contar aqui que batiam nela porque ela era gordinha, que a apelidaram de febre tifóide e coisas do gênero. Não é necessário. Lembro que eu também passei por isso, não, eu não era gordinha, ao contrário, era magrinha. Vejam bem, eu era magra e alta. Fui a  mais alta da turma até a 8ª série. Deus achando pouco… quié que ele fez?? Dentuça, com óculos enormes, daqueles fundo de garrafa.

Por mais que minha mãe me arrumasse, bicho, não tinha jeito. Eu era e ainda continuo sendo desengonçada, mas antigamente era campeã mundial desse esporte. O sonho da minha genitora era ter meninas lindas e coitada, deve ter ficado frustrada porque nem eu e muito menos a minha irmã correspondemos suas expectativas. Minha sorella por ser preta e eu por ser travosa ao extremo. O retrato da tristeza era minha família, não os pais e sim as filhas.

Vou te contar que eu sofri. Eu não só comi o pão que o diabo amassou…aproveitei e fiquei pra ceia. Pernalonga… era assim que umas pessoas me chamavam. Dentuça, pernas compridas e finas. E o dedão do meu pé torto? Ser chamada de dedo de anzol até hoje me assusta. Não que as coisas tenham melhorado muito agora aos 15 anos. Não. E tinha um detalhe muito legal: Amigas roubavam meus namoradinhos e paqueras. Praticamente vomitavam na minha cara: SUA FEIA.

No meu terceiro ano diziam que era uma mulher diferente: A carne por dentro do osso. Não acho engraçado porque essas coisas ficam gravadas no subconsciente e né… não tenho dinheiro pra refazer meu corpo inteiro na base da plástica. Daí que muitos de vocês que me seguem no twistter compreendem tanta depreciação comigo mesma. E assim, eu não me incomodaria passar o resto da minha vida trancada em uma torre de igreja em Londres tocando sino. Não mesmo.

Poderia ser o patinho feio, mas virar ganso não é uma coisa muito feminina, né? Ainda identifico com a estória. Até choro ao lê-la. Ugly Betty acompanhou parte do meu sofrimento. Não creio na história de o feio se torna belo porque olha, não é conveniente me iludir.

 

beigos, gaylere

You May Also Like

2 soltando o verbo

  1. OLEA, CARA.
    As crianças podem ser muito cruéis, né?!
    Bem mais que os adultos. Eu tenho medo de - quando tiver um filho - ele passar por isso, OU ser o trobadinha que fica inventando apelido idiota para as outras crianças... Se isso acontecer o filho da puta vai apanhar até morrer. DESGRAÇA.
    Eu sofri bullying também e , realmente, não é FACIO!
    Mas você está linda agora, thcuthcuca.
    Eles sentem inveja de você, da sua inteligente e gostura, bgs.

    ResponderExcluir
  2. A Fany disse tudo! As crianças são crueis, exemplo disso é q muitas são recrutadas em exercitos, e são melhores soldados, digo assassinos, q os adultos.

    Qnto ao carne por dentro do osso, até hj falam isso no meu ouvido, eu com meu 1,90 de altura e 63 kg, faz as contas, um vara pau.

    O maior prejuizo na pratica do Bullying é na autoestima da vitima, q é capaz de transformar as pessoas mais lindas do mundo, como vc (eu tb kkkkkk), em seres incapazes de escapar da eterna lembrança deste tormento, se culpando e depreciando por fatos q alguns babacas retardados cometem.

    ResponderExcluir

Soltem o verbo...