Vestibular da Universidade Federal do Acre

by - sábado, novembro 07, 2009


Amanhã, será o declarado o DIA MUNDIAL DO SURTO. Sabem o motivo? Nãoo? Eu e mais um vários leitores do M.P, nos degladiaremos em uma árdua luta assim como leões famintos fazem em uma savana chamada UFAC, onde o objeto em questão será UMA VAGA para o curso que cada qual idealizou prestar. Para muitos esse dia começa tenso desde a véspera. Sim, porque para nós, mamíferos ufaccianos (lê-se UFAQUIANOS...titia Sara ensina também.), existe uma maldição pré-vestibulariana. Tudo pode acontecer conosco: desde uma dengue hemorrágica até aviões caindo sobre nossas cabeças. Existem várias barreiras para serem encaradas e corajosamente vencidas:

1. Epidemias: Eu não sei se elas são mandadas por Deus ou pelo Dyabo. Aqui na cidade de Rio Branco, o último grito da moda é a dengue. Tenho um amigo, chamado Sandino (falei mesmo... perdeu até a vergonha. Muita convivência comigo faz isso.), que mora no sub...subsolo da capital. Uma região conhecida como Universitário ou segundo ele mesmo costuma chamar, um município adjacente. O bairro é tão grande que foi dividido em 3 partes, isso é só para vocês terem uma noção básica da favelada que deve ser lá. A dengue começou a se alastrar pela localidade e perdeu totalmente o controle (graças a Ganhesha, não perdeu a direção. Ficou só por lá. Menos 3.000 concorrentes!). Imagino o desespero do Sandino quando dá umas 3 horas da tarde. Ele tranca tudo e fica defumando dentro de casa. Calma, amigo, isso pode ser bom. São menos candidatos concorrendo. Agora, se você pegar a doença, é melhor que seja uma hemorrágica. Prefiro morrer do que perder a prova.

2. Acidentes:
A probabilidade de quebrar as duas pernas ou o braço com o qual escreve, aumenta cerca de 8.000%. Para quem tem carro, até que não é tão ruim (espero que quebre as duas mãos e a clavícula). Meu irmão, se você mora só, não tem carro e por isso anda de ônibus, só tenho uma palavra a dizer: MORRA! Mas morra bem morrido, tsá? No ano passado, tive um amigo que era meu companheiro de estudo, estudávamos pra caramba. Quando faltava um mês para o vest., ele evitava de tomar qualquer coisa em copos de vidro, só descartável, dormia com a porta do quarto trancada porque tinha medo de assaltantes e sequestradores, não passava debaixo de escada pois tinha medo que fosse cair em cima dele e outras tantas coisas. Até que no dia da prova, ao descer de uma escada, quebrou a perna. Passou o dia no hospital. Se eu ri? MUHAHAAAAAHAHAH... Sim.

3. Monstruação: Essa lógico é para as meninas. Se você tem o ciclo certinho, parabéns. Ele não irá ser o mesmo no mês da matança geral. Não tem cólicas? Não esquenta, nesse dia terá. A sua derrama é um conta-gotas? Aguarde, esse dia será uma cachoeira. Já é o dia e não chegou? Acalme-se, deixe a prova começar e verás. Último dia? Nada. Seu estado sangrio se expandirá por mais dois dias. Acredite, seu maior inimigo não será nenhum concorrente e sim, o Tio Chico.

4. Festas: Pode ter certeza, a festa mais fodástica do ano ocorrerá na véspera do matadouro. E o pior de tudo será a tortura mental de não ter passado e ter perdido o envento.

5.Bloqueio mental: Isso sempre acontece comigo. Eu fico calma até chegar no local em que vou realizar o exame, mas é só recebê-lo que minhas pregas ficam mais juntas que gêmeos siameses inseparáveis. Fico umas duas semanas nesse estado de choque. Não consigo pensar em nada e muito menos lembrar de algo. Como sou superior, para não dar bandeira desse meu problema, olho para a pessoa do lado, sorrio e marco a opção. Sempre funciona, principalmente quando dou meu sorriso macabro.

6. Mudança de regulamento no dia da prova: A maior sacanagem da universidade daqui foi essa no ano passado: Tivemos que fazer o vestibular duas vezes: a primeira foi cancelada devido a falta de organização da COPEVE. A primeira sacanagem foi não entregar o caderno de línguas. Muitos não receberam. A segunda foi deixar duas mulheres sendo fiscais. Como falavam! Maria fifis de primeira. Terceira, deixar alunos nas salas mais fubangas do recinto. Fiquei no bloco de matemática. Só tinha cadeira para canhoto, todas elegantemente cheias de fórmulas ( o que me ajudou um pouco... Juro que tinham duas questões em que os manuscritos nas cadeiras poderiam ser utilizados), baixinhas de dar dor nas costas. Já na segunda oportunidade, não avisaram que celular seria proibido. Não avisaram mesmo. Quando cheguei na porta da sala, a fiscal disse que só entraria sem o meu tamangoshi. Tive que esconder nos escombros do bloco de história. Teve gente que até enterrou o celular! E choveu forte no dia! Riiiii... Tinha um na minha sala que tinha tomado essa atitude. A cada 10 minutos ele olhava para fora e fazia cara de choro. HAHAHAHAHHAHAHAHAHAHA. Ri na altura permitida. Fiz questão que ele presenciasse minha felicidade.

7. Local: O lugar onde vc irá se torturar durante 4 horas, nunca será perto da sua residência. Não sei que critérios eles usam para destinar qual antro iremos ficar. Esse ano foi um exemplo: Eu fiquei na UFAC e o Sandino ficou na UNINORTE. MAS MEOOO DEELLLS! QUE DROGA É QUE O PEOPLE DA ORGANIZAÇÃO ANDA FUMANDO? Sério. eu moro beeem próxima a UNI, uns 10 minutos de ônibus. O Dinossauro , mora quase do lado da UFAC! Pra quê maltratar tanto os futuros universitário? Já não basta que futuramente quando passarmos, que dividir a comida do R.U. com os ratos? Meu coração não aguenta tanto!

8. Missão quase impossível: Achar a sua sala dentro do campus da universidade. Olhem o mapa abaixo. Isso é a federal daqui. Pode até parecer pequena, mas se você inventar de percorrê-la inteira com seus lindos pezinhos, perderá certamente uns 200 kg. E olha que aí nem mostra o caminho do bambuzal. Tem bloco para tudo que é canto. É tudo tão distante, que exite um ônibus especial só para circulá-la.


Bem facinho, né?


Escutem:
Se eu não aparecer aqui durante um tempo, vocês já sabem o motivo: Posso ter me dado muito mal e estar deprimida. Se eu não passar dessa vez, não sei o que será de mim. Não será por falta de inteligência e sim de sorte.

You May Also Like

3 soltando o verbo

  1. kkkkkk... obrigado pelos elogios dados ao meu bairro! Sabe o que aconteceu domingo à tarde? Peguei uma virose... tive que fazer a prova de segunda com febre e a cabeça latejando...! Muito obrigado pela profecia... kkkkkk...
    O seu otimismo me anima.... kkkk...! Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Muah... Mãe Sarinha não falha nunca, meu amor!!!

    ResponderExcluir

Soltem o verbo...